Além da inflação: como as novas regras de divulgação climática podem avançar a transição verde

A inflação é tema e foco na economia no mundo inteiro, porém a pauta sustentável não pode ser ignorada com a crise climática cada vez mais evidente. Apesar do momento dificultar intervenções mais diretas de autoridades, novas regras para a garantia de divulgação e transparência de dados de riscos climáticos e ambientais podem ser uma boa aposta para a maturação do mercado de finanças verdes.
Além da inflação: como as novas regras de divulgação climática podem avançar a transição verde
Data
Autor
Amanda Stelitano
Produto
Compartilhar

Embora a inflação tenha conquistado o papel principal no novo capítulo da economia global, a crise climática não pode ser apenas uma coadjuvante a ser ignorada. Entre ondas de calor na Europa e Índia, secas nos Estados Unidos e África Ocidental e as recorrentes enchentes na China impactando commodities, é importante que os responsáveis pelas agendas financeiras aprendam urgentemente a enfrentar o fenômeno da inflação sem que a agenda sustentável seja deixada de lado.

Inflação: a nova barreira das demais agendas

O sistema financeiro tem cumprido um bom papel no movimento de trazer as pautas verdes e climáticas para o centro do debate global. Porém, os responsáveis por esse mesmo sistema não pareciam estar preparados para ter que lidar com os avanços e necessidades de uma transição para uma economia mais sustentável em meio à uma onda global de inflação.

O sistema financeiro tem cumprido um bom papel no movimento de trazer as pautas verdes e climáticas para o centro do debate global. Porém, os responsáveis por esse mesmo sistema não pareciam estar preparados para ter que lidar com os avanços e necessidades de uma transição para uma economia mais sustentável em meio à uma onda global de inflação.

O aumento de juros decorrente dos cenários inflacionários têm feito com que os investidores sejam mais conservadores em relação a investimentos alternativos de forma geral, como startups e universo cripto. Considerando que um dos grandes desafios para a transição verde é justamente o déficit de capital para investimento destinado à mudança com o mínimo de riscos de transição, a inflação tem se mostrado um grande obstáculo para o avanço da agenda sustentável.

Nesse momento, mais do que nunca, é crucial que os mercados financeiros tenham informações acessíveis e transparentes sobre os riscos e impactos que a crise climática e ambiental oferecem. Governos nacionais e seus reguladores precisam ter uma postura firme tanto em relação às suas metas de desenvolvimento sustentável quanto em relação à responsabilidade de divulgação de dados e relatórios como parte de uma gestão de risco eficiente de empresas e demais atores do setor público e privado como estratégia de segurança de investimento e atração de alocação de capital verde.

O que vinha sendo feito? Divulgações financeiras relacionadas ao clima

O Conselho de Estabilidade Financeira (em inglês, Financial Stability Board, FSB) criou em 2015 a Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD) e a Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas à Natureza (TNFD) em 2020, ambas com o objetivo de orientar e aprimorar a relação do mercado financeiro com os fenômenos derivados das mudanças climáticas e as crises ambientais. Um dos principais objetivos de se ter uma estrutura de divulgação padronizada é alcançar o maior entendimento e clareza entre o público-alvo, permitindo que, cada vez mais, novos investidores se sintam confortáveis e seguros na tomada de decisão de suas aplicações de capital em investimentos relacionados ao clima e ao meio ambiente.

A TNFD ainda está em sua versão beta, mas conta com a inovação para alinhar o uso de dados, mercado financeiro e natureza inclusiva para estruturar seu padrão de gestão de riscos. Já as recomendações do relatório TCFD destacam quatro áreas que colaboram com a estrutura de uma organização ou empresa, sendo elas: (i) governança, (ii) estratégia (iii) gestão de riscos, e (iv) metas e métricas. A descrição eficaz do papel da administração na avaliação e gestão de riscos e promessas relacionadas ao clima, o impacto do conhecimento de risco no planejamento e estratégia, os processos de identificação de riscos e outros pilares de divulgação possibilitam uma análise de cenário bastante segura e válida, possibilitando que esse material seja usado como garantia para investidores.

Ainda que as recomendações do TCFD e os esforços para melhoria das divulgações tenham tido resultados positivos desde sua criação em 2015, o cenário já não estava nem perto de ser o ideal mesmo antes do período inflacionário tirar o foco da agenda. Em 2019, eram somados até US$ 34 bilhões de investidores e apenas 36 bancos centrais e agentes reguladores comprometidos com disclosures climáticos eficazes. Essa insuficiência de resultados pode ser explicada pelo caráter voluntário das recomendações e pela ausência de comprometimento das autoridades em enxergar a transparência de divulgação como um diferencial facilitador da transição sustentável. Ainda que essa  troca do caráter voluntário para o obrigatório pareça ser a direção natural para maximizar o retorno de capital e direcionar investimentos seguros e comprometidos com a transição, o alinhamento de prioridades em alguns países pode ser um empecilho maior.

Novas regras, novas soluções

Alguns países, no entanto, resolveram fazer a transição de divulgações voluntárias para obrigatórias, percebendo o movimento como uma boa aposta para nova estratégia na resiliência e confiabilidade do mercado. As atuações mais recentes podem ser vistas na Nova Zelândia e no Reino Unido.

O governo da Nova Zelândia reconheceu que a maioria de suas empresas e organizações financeiras forneciam informações incompletas ou de nenhum valor relacionado ao risco climático e que isso prejudicava os objetivos do país em cumprir sua meta de descarbonização até 2050. Com a obrigatoriedade de padronização e publicação de resultados, a Nova Zelândia espera criar uma rotina de inclusão dos fatores climáticos e ambientais nas tomadas de decisão de negócios e investimentos, além de garantir uma economia mais resiliente aos eventuais impactos físicos e de transição.

Já o Reino Unido, no primeiro semestre de 2022, se tornou o primeiro país do G20 a aplicar regras obrigatórias em relação aos relatórios sobre riscos de mudanças climáticas. A estratégia inicial é voltada para as grandes empresas registradas no país, com foco em bancos e seguradoras; porém, no futuro, pequenas e médias empresas (PMEs) também serão incluídas na nova obrigatoriedade.

Outros também já começaram a se manifestar e apontar para um futuro em que a divulgação será obrigatória: Hong Kong anunciou o comprometimento de todos os seus bancos com a medida até 2025 e Singapura começou a aplicar as regras de obrigação na SXG, a bolsa de valores do país.

Tais iniciativas sugerem que, ainda que medidas mais ativas e de maior intervenção não sejam prioridade em um ambiente de crise e inflação, o prosseguimento com ações relacionadas à divulgação de dados é possível e desejável. Em cenários como esse, a postura dos responsáveis financeiros e grandes players do setor que determinam o curso que o mercado vai seguir.

O  comprometimento e a promoção do uso das recomendações TCFD e demais disclosures em relação aos riscos climáticos é uma forma de mostrar segurança e confiabilidade em investimentos alternativos vinculados à sustentabilidade em meio a um mercado global incerto.

 

Amanda Stelitano é pesquisadora do Instituto Propague e mestranda em Economia Política Internacional pela UFRJ.

 

Veja mais:

Inflação verde pode atrasar a agenda sustentável? Bancos Centrais discordam da urgência do tema

Finanças Verdes: a integração tecnológica no desenvolvimento sustentável

O que são Finanças Verdes? Entenda porque o mercado financeiro participa do debate ambiental

Todos os produtos

Quer se
aprofundar mais?

Com uma linguagem simples de entender, as análises do Instituto Propague vão te deixar por dentro dos principais temas do mercado.

Leia agora!