Big techs chinesas avançam para Singapura, aumentando demanda por profissionais qualificados e salários na região

Após onda regulatória, as principais empresas de tecnologia chinesas estão buscando refúgio em outros países da Ásia. Nesse cenário, Singapura apareceu como alternativa segura e confiável.
Big techs chinesas avançam para Singapura, aumentando demanda por profissionais qualificados e salários na região
Data
Autor
Equipe Propague
Produto
Compartilhar

Nos últimos anos, as autoridades chinesas iniciaram uma ofensiva regulatória contra as gigantes do setor de tecnologia que ficou conhecido internacionalmente como o tech crackdown. Algumas das principais big techs afetadas foram a Tencent, Alibaba, Meituan e o aplicativo didi.

Essa onda regulatória teve diversos episódios, como a aprovação da Lei de Segurança de Dados, a Lei de Proteção de Informações Pessoais e a interrupção de IPO´s em bolsas estrangeiras. A Didi, por exemplo, foi impedida de abrir capital na bolsa de Nova York por não cumprir uma revisão de segurança cibernética para dados confidenciais.

Big techs chinesas buscam refúgio em Singapura

Nesse cenário, as big techs chinesas estão buscando mercados para fugir das pressões regulatórias e Singapura apareceu como um centro financeiro capaz de manter bons laços tanto com Pequim quanto com o Ocidente.

Seguindo essa tendência, em junho de 2022 o Antgroup, que teve seu IPO cancelado no final de 2020, lançou o um banco digital voltado para o comércio transfronteiriço de pequenas empresas em Singapura.

Esse banco, chamado ANEXT, é resultado de uma parceria com a Proxtera, que administra um mercado online para conectar pequenas empresas. Espera-se que o Banco ANEXT aproveite as tecnologias e o know-how do Grupo Ant para fornecer serviços financeiros de forma simples e segura às pequenas e médias empresas.

Vale lembrar que, em abril de 2022, o Antgroup já havia adquirido a maioria das ações da plataforma de pagamentos 2C2P, com sede em Singapura.

Guerra por mão de obra qualificada em Singapura

Essa expansão das big techs chinesas está levando a uma “guerra” por mão de obra qualificada na região. Já chegando a uma escassez antes do movimento de migração de empresas chinesas, agora o fenômeno está ficando mais evidente. De acordo com dados da plataforma de talentos tecnológicos NodeFlair, os pacotes de remuneração oferecidos pelas empresas de tecnologia chinesas em Singapura estão acima da média do setor.

Nesse sentido, de acordo com a Globaldata, entre setembro de 2021 e fevereiro de 2022 um terço das postagens de emprego da ByteDance foram em Singapura, mais que o dobro dos anúncios na China. Esse movimento tem  aumentado os salários em setores especializados, como o de engenharia de software.

A Tencent, por exemplo, está oferecendo 6.800 dólares de Singapura (S$) para um engenheiro de software júnior, valor que contrasta fortemente com a média salarial de S$ 3.000. No TikTok, onde mesmo estagiários recebem S$ 4.800, o salário inicial é de S$6.596.

Já os engenheiros de software sênior começam em S$ 7.000 na Lazada e S$ 10.000 no TikTok, enquanto a média da indústria é de S$ 5.250.

De acordo com a última Pesquisa de Emprego de Pós-Graduação do Ministério da Educação, o salário médio para graduados em computação da Universidade Nacional de Singapura é de S$ 5.800, um aumento de 30% em relação a cinco anos atrás, sendo, atualmente, uma das profissões com melhor remuneração média.

 

Veja mais:

Transferências internacionais: Malásia e Singapura testam pagamentos em tempo real

Open Finance em Singapura e o impacto no mercado asiático

Finanças verdes na Ásia: Taiwan, Hong Kong, China e Bangladesh lançam novas iniciativas

Singapura é o maior hub de tecnologia na Ásia?

 Hong Kong está se transformando em um hub global de tecnologia financeira, acompanhando outros destaques asiáticos como Singapura

Todos os produtos

Quer se
aprofundar mais?

Com uma linguagem simples de entender, as análises do Instituto Propague vão te deixar por dentro dos principais temas do mercado.

Leia agora!